domingo, 13 de abril de 2014

Lição 03 – Cristo e a Tradição Religiosa

(Mateus 5, 15 e 23)


Introdução: Lembra-se de nossa discussão anterior sobre lei natural, lei moral, lei civil e lei cerimonial? Nossa teoria de trabalho é que cada nível da lei (com a lei natural no topo) se destina a apoiar ou explicar o nível mais alto da lei. Sabemos, contudo, que isso não se enquadra com o que observamos na vida. Algumas leis civis são, claramente, contrárias às leis moral e natural. O homem põe seu próprio julgamento, no lugar do julgamento de Deus. Nós vemos os desastres que seguem. Como vamos tratar com a falha da legislação humana? Vamos mergulhar em nosso estudo da Bíblia e ver o que podemos aprender!

I. Assumindo o Legado de Moisés

A. Leia Mateus 23:1-2. O que Jesus quis dizer com “cadeira de Moisés?” Moisés sentou em um trono e eles ainda o tinham? (Não. Moisés era o líder religioso e político do povo de Deus. Os mestres da lei e os fariseus mantinham uma posição similar, na época de Jesus.)

B. Leia Mateus 23:3-4. Aqueles líderes eram dignos do título? (Não!)

1. O que estava errado com eles? (Suas ações não estavam alinhadas com suas palavras.)

2. Nós todos entendemos porque é bom seguir o ensinamento correto, mesmo que o mestre deixe de seguir seu próprio ensino. Mas, por que Jesus disse para o povo “obedecer” quando envolvia “pesados fardos”? Fardos que parecem, no contexto, ser injustificados?

C. Leia Mateus 15:1-2. Que encargos foram determinados contra os discípulos? (Eles não estavam carregando o “fardo pesado” da tradição dos líderes religiosos.)

D. Leia Mateus 15:3-6. Como você descreveria a resposta de Jesus? Quando alguém diz a você, que você está fazendo alguma coisa errada, você diz: “Você, também, está fazendo coisas erradas!”

1. É isso o que Jesus está fazendo aqui – você também é um infrator? (Não. Quando passamos sob a superfície do que foi dito, vemos que os líderes religiosos defendem sua tradição. Jesus disse que suas tradições violavam as leis de Deus.)

2. Lembre-se de nossa discussão, na última semana. O que as leis cerimoniais tinham que fazer? (Elas se destinavam a nos ajudar a entender o plano de salvação de Deus. Elas se destinavam a nos ajudar a evitar violar as leis moral e natural. Jesus disse que essa tradição era contrária ao seu objetivo.)

E. Leia Mateus 15:10-11. Para os discípulos, lavar suas mãos seria transgressão da lei de Deus? (Não, mas isso faria as pessoas interpretarem mal a lei de Deus. Eles estariam concentrados no lavar das mãos e desviariam suas atenções do verdadeiro problema – o que sai de suas bocas. Você pode ver que a lei feita pelo homem viola o que se presume ser o seu propósito - estar de acordo com a lei moral.)

1. Esta é uma lição para nós, hoje? Podemos enfatizar coisas sem importância, que nos distraem de considerar os pontos mais importantes?

F. Leia Mateus 15:12. O que aprendemos sobre ofensa, na lição da semana passada? (Leia Mateus 17:27. Jesus pagou o imposto do temple, de modo a não ofender.)

1. Os discípulos estavam lembrando a Jesus, Seus próprios ensinamentos?

G. Leia Mateus 15:13-14. O que Jesus nos diz para fazer, no que diz respeito aos falsos ensinos religiosos? (Evitá-los. Não seguí-los.)

H. Releia Mateus 23:2-4. Jesus não Se contradisse, por isso temos que encontrar a solução para o aparente conflito, na questão de “ofender” e seguir “todas as coisas”, ensinadas pelos líderes religiosos. O que você sugere? (Acho que isso é semelhante a nossa discussão sobre a lei civil. Deus é o autor da autoridade e da ordem civil, mas isso não significa que Ele tenha a intenção de que nós sigamos as leis humanas, que violam as leis naturais ou morais. Assim, entendo que Jesus, ao dizer que devemos seguir os ensinamentos daqueles que ocupam posições de autoridade religiosa,que evitemos ofendê-los, sempre que possível, mas que devemos rejeitar tudo aquilo que está inconsistente com a lei moral. Isso incluiria ensinamentos que não são imorais em si mesmos ( como lavar as mãos), mas que desviam a atenção do que é importante.)

II. Rompendo o Manto de Moisés

A. Leia Mateus 23:5-7. Qual é o problema principal com aqueles que se sentaram no lugar de Moisés? (Eles se esqueceram que eram, simplesmente, aqueles que transmitiam a vontade de Deus, para o povo. Eles começaram a pensar que poderiam ser como Deus. Eles começaram a “inchar.”{inchar de orgulho ou vaidade})

1. Leia Gênesis 3:4-5. Satanás tem uma lista de tentações padronizadas que ele usa, repetidamente?

B. Leia Mateus 23:8-10. Ano passado, um membro de minha igreja chamou-me de “rabi” e eu me lembrei deste texto. Os estudantes, normalmente, me chamam de “professor”, muitos me chamam de “mestre,” e meus filhos me chamam de “papai” ou “pai”. Estas são violações óbvias dos ensinamentos de Jesus?

1. E como seus filhos chamam você? (Compare com Êxodo 20:12.)

C. Leia 1 Coríntios 12:28. Deus está se opondo à organização da igreja e aos títulos?

1. Se é assim, por que os discípulos chamavam a si mesmos (Atos 15:23) “apóstolos?”

D. Leia Mateus 23:11-12. O que Jesus está querendo dizer? (A autoridade humana nos torna orgulhosos. Na relação entre as leis natural, moral e civil, ela é uma perversão da lei, para definir, acima de todos, aqueles que estão transmitindo a vontade de Deus. “Todos vocês são irmãos.”)

1. Você acha que Jesus quis dizer, exatamente, o que Ele disse e as palavras “rabi, mestre e pai” não deveriam ser usadas? (Não acho que Jesus estava dizendo que não podemos chamar as pessoas por suas funções, na vida ou na igreja. “Apóstolos” e “profetas” são aceitáveis, e “rabi” e “pai”, inaceitáveis? “Mestre” está errado em Mateus 23, mas está certo em 1 Coríntios 12? Acho que o que Jesus está dizendo é que deveríamos evitar títulos “honoríficos” que são mais do que uma simples descrição de função.)

a. Você pode pensar em qualquer um destes? (Que tal “Justo Reverendo,” ou “Reverendíssimo?” Estes não parecem ser títulos de função. Eles pretendem transmitir muito mais.)

2. O que Jesus pede de pessoas que estão em posição de liderança? Daqueles que estão administrando a lei? (Que sejam líderes servidores. Mateus 23:11.)

III. Verdadeiro Moisés

A. Leia Mateus 5:17 e Colossenses 2:9-12. Semana passada, estudamos esse texto em Colossenses e a controvérsia da circuncisão. Como isto está relacionado com o que Jesus disse em Mateus 5:17? (Esse é um exemplo perfeito do que Jesus estava dizendo. Ele cumpriu a lei da circuncisão.)

B. Leia Mateus 5:18. A lei é válida, ainda? (Lembre nossa conversa sobre a lei natural e a lei moral? Deus nos deu a lei moral, como um mapa, para evitar as armadilhas da trangressão da lei natural. A lei natural não desapareceu. Precisamos de nosso mapa! Nosso mapa, assim como a graça, é um dom de Deus.)

C. Leia Mateus 5:19. Jesus estava dizendo que os maus mestres vão para o céu? (Sim. A graça nos salva, mesmo não sendo bons mestres ou guardadores dos mandamentos. Mas, quebrar os mandamentos de Deus e ensinar os outros a isso é loucura pura, que não tem recompensa no céu.)

1. Que mentira lógica está por trás disto? (Que tolo diz para você ignorar o mapa? Que idiota diz para você ignorar as leis naturais? Deus nos deu a lei moral, para nos proteger e nos dar liberdade!)

D. Leia Mateus 5:20. Temos que superar os líderes religiosos dos dias de Jesus? Aqueles, Ele chamou (Mateus 15:14) “guias cegos!” (Sim, e a tarefa é fácil e lógica. Se aceitamos Jesus como nossa justiça, então, teremos excedido a justiça de qualquer homem. Logicamente, nós vamos nos concentrar em coisas importantes e nos opor aqueles que procuram se concentrar em coisas pequenas, que nos distraem daquilo que é importante.)

1. O que, exatamente, são algumas das principais coisas? (Leia Mateus 15:17-20. O que você come, a limpeza de suas mãos, são coisas pequenas. Maus pensamentos, assassinato, adultério, imoralidade sexual, roubo, falso testemunho e calúnia são as principais coisas.)

E. Amigo, os homens cometem erros em suas leis e regras. Você vai aceitar o desafio de manter seu foco no que é importante?

IV. Próxima semana: Cristo e a Lei no Sermão da Montanha.

Direito de Cópia de 2014, por Bruce N. Cameron, J.D. Todas as referências das Escrituras são da Bíblia de Estudo na Nova Versão Internacional (NVI), editada em 2003 pela Editora Vida – São Paulo, a menos que indicado de outra forma. As citações da NVI são usadas com permissão. As respostas sugestivas encontram-se entre parênteses. As frases entre chaves { } foram acrescentadas pelo tradutor e não constam no original. Ore pela direção do Espírito Santo enquanto estuda.

Estes comentários referem-se às Lições da Escola Sabatina, publicadas em Português pela Casa Publicadora Brasileira, cujo original pode ser encontrado semanalmente em "http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/les2014.html"

Tradução: Denise de Mesquita

sábado, 5 de abril de 2014

Lição 02 - Cristo e a Lei de Moisés


(Lucas 2; Mateus 17; Marcos 3)




Introdução: Semana passada discutimos sobre a lei natural, a lei moral, lei civil e a lei cerimonial. Qual delas é a "Lei de Moisés"? Moisés entregou ambas, a lei moral e a lei cerimonial, na forma escrita, para o povo de Deus, quando eles viajaram para Canaã. Entretanto, elas existiam anteriormente, para Moisés escrevê-las? Elas se aplicam hoje? Vamos mergulhar em nossa Bíblias e ver o que podemos aprender!


I. Dedicado a Deus

A. Leia Lucas 2:21. O que aconteceu no oitavo dia do menino recém-nascido? (Ele foi circuncidado e foi-lhe posto um nome.)

1. Por quê? (Leia Gênesis 17:12. Isto fazia parte da lei.)

2. Lei de quem? O que representa a circuncisão? (Leia Gênesis 17:9-11. Era a ordem de Deus para Abraão. Ela representava o fato de que os descendentes de Abraão tinham um relacionamento especial com Deus. Entretanto, encontramos em Levítico 12:3 e João 7:22 que isso foi incluído mais tarde, como parte da lei mosaica.)

3. Em Gênesis 17:9-10, a circuncisão é chamada de "aliança" (contrato) entre os homens e Deus. Por que ela deveria se realizar no oitavo dia, antes do menino ter capacidade de entender o que estava acontecendo ou concordar com este contrato com Deus?

B. Leia Gálatas 5:2-4 e Gálatas 5:6. Lembre-se que semana passada discutimos a lei natural, a lei civil, as leis moral e cerimonial. Que tipo de lei representa a circuncisão? (Paulo sugere que a lei da circuncisão foi cumprida em Jesus, portanto ela deve ser uma lei cerimonial.)

1. Leia Gênesis 17:13. Como Paulo nos diz que essa lei não tem nenhum valor, quando Deus, claramente, a chamou de "uma aliança perpétua"?

C. Leia Colossenses 2:9-12. Como esses versículos nos ajudam a entender melhor essa aliança perpétua? (Isso nos diz que a lei moral de Deus está envolvida. A aliança (contrato) entre Deus e os descendentes de Abraão (o povo judeu) era que eles promoveriam Sua lei moral. Como discutimos na última semana, isso os ajudou a prevenir problemas apresentados pela lei natural.)

1. Nós, que não somos judeus, como fazemos para manter a aliança perpétua com Deus? (Pela aceitação da vida, morte e ressurreição de Jesus, através do batismo.)

D. Leia Romanos 2:29. De que outra maneira podemos participar na aliança eterna? (O Espírito Santo, vivendo em nós, "circuncisa" nosso coração, de modo que se queira obedecer a vontade de Deus.)

E. Leia Lucas 2:22-24. O que mais aconteceu para Jesus, de acordo com a lei cerimonial? (Ele foi apresentado a Deus e um sacrifício foi oferecido em Seu nome.)

F. Hoje, como você aplica estes princípios, para um bebê recém-nascido? (Com uma dedicação a Deus. Se a circuncisão é substituída pelo batismo, pela graça e habitação do Espírito Santo, então parece razoável invocar todos os três.)

II. Relativo à Lei

A. Leia Mateus 17:24. Este era um imposto para a manutenção do templo. Que tipo de lei exigia esse imposto? (Leia Êxodo 30:13-16. Esse imposto começou como parte da lei de Moisés!)

B. Se você fosse Pedro, como responderia essa pergunta? (Moisés ordenou! O templo era o local religioso central. Pagar esses impostos poderia ser um teste de fé religiosa. Pagar seus impostos mostra honestidade. A resposta obvia é: "Sim, Jesus paga o imposto do templo!")

C. Leia Mateus 17:25. Que questão Pedro tinha deixado de considerar? (Reis não tributam seus filhos. Se Jesus era o Filho de Deus, Ele não deveria pagar o imposto.)

D. Leia Mateus 17:26. Qual é o problema religioso central envolvido no pagamento deste imposto? (A pergunta mais importante de cada época: quem é Jesus? Ele é Deus ou Ele é, simplesmente, um homem?)

1. Se Jesus pagou o imposto do templo, o que Ele estaria dizendo quanto a Ele ser Deus? (Seria uma negação de quem Ele é.)

E. Vamos colocar você no lugar de Pedro, novamente: Jesus deveria pagar o imposto do templo?

F. Leia Mateus 17:27. Jesus pagou o imposto do templo?

1. Minha aposta é que os cobradores dos dracmas seguiram Pedro até a água, para que pudessem cobrar. O que você acha sobre o modo como a moeda foi obtida por Pedro? (Isso, é claro, foi um milagre. Quantos peixes existem no mar? Jesus disse para ele ir pescar, que o primeiro peixe teria o valor exato, em sua boca!)

a. O que o método para obter a moeda diz sobre a divindade de Jesus? (Ele atestou Sua divindade.)

2. Por que não bastou dizer apenas "não?"(Jesus disse: "mas, para não escandalizá-los.")

a. Em Mateus 12:34, Jesus chamou alguns líderes religiosos de "raça de víboras." Podemos concluir que Jesus estava preocupado em insultar pessoas? (Se você olhar para toda a conversa, em Mateus 12, os líderes religiosos disseram que Jesus estava aliado a demônios. Os cobradores de impostos do templo pareciam estar, simplesmente, fazendo uma boa coisa – seguindo a lei de Moisés.)

G. Na história sobre o imposto do templo, que lição Jesus está nos ensinando sobre a lei? (O sistema do templo e sua manutenção estavam prestes a acabar, por causa da missão de Jesus, na terra. Mesmo assim, Jesus foi tão longe quanto possível para evitar ofender, sem comprometer o princípio moral central.)

1. A lição sobre o imposto do templo tem algo a ver com o ensino de Paulo, sobre a circuncisão? (Paulo tentou evitar "ofender" novos crentes dizendo-lhes que tinham que ser circuncidados.)

2. Será que nós levamos a sério a lição de evitar ofender aqueles que buscam a Deus? (Não podemos comprometer os princípios centrais, mas devemos fazer tudo o que está ao nosso alcance para evitar ofender aqueles que pensam que estão fazendo a vontade de Deus.)

III. Festivais

A. O "New Unger’s Bible Dictionary"{Novo Dicionário Bíblico Unger} assinala que cada festival foi "conectado, de alguma forma, ao número sete". Há o sábado semanal (Gênesis 2:2-3; Êxodo 20:8-11), o ano sabático (Êxodo 23:10-11), o sete das luas novas (Festa das Trombetas - Números 29:1), Ano do Jubileu ("sete vezes sete anos" - Levítico 25:8-12). Depois, existem os "três grandes festivais anuais de Israel": Páscoa e a festa dos pães ázimos (Levítico 23:5-6; Êxodo 12:1-28), Pentecoste (Festa das Semanas - Levítico 23:15-16), Dia da Expiação (Levítico 16:33-34). {Novo Dicionário Bíblico Unger: consagrado dicionário bíblico, lançado em 1957. Autor: Merril Frederick Unger (1909-1980), comentarista bíblico, erudito, teólogo e arqueólogo bíblico}

1. Que lições podemos aprender desses festivais, os quais são parte da lei de Moisés?

2. Deveríamos observar esse festivais, nos dias de hoje? (Aqueles que apontam para Jesus, como a Páscoa e o Dia da Expiação, foram, claramente, cumpridos em Jesus. Pentecoste marca a nova era do Espírito Santo.)

a. E quanto ao resto? (Muitos cristãos observam, em algum grau, o sábado semanal. Em poucas empresas, o "sábado", de algum tipo, é proporcionado, mas não há, geralmente, um ano de descanso. Meu pensamento é que gosto da programação de férias de Deus!)

(1) Isso é, realmente, sobre férias? (Em parte, mas considere a natureza religiosa dos festivais. Precisamos gastar mais tempo descansando e contemplando Deus. Que tal cerimônia religiosa no campo?)

IV. Olhando Mais Profundamente

A. Leia Marcos 3:1-4. Quando Jesus perguntou sobre a lei, de qual lei Ele estava falando? (Ambas: da lei moral (Êxodo 20:8-11) e da lei de Moisés (Levítico 23:3) que proibiam o trabalho aos sábados.)

1. Qual era o propósito da pergunta de Jesus? (Ele pediu que os líderes religiosos olhassem para a razão pela qual a lei existe. Ela existe para promover o bem dos homens.)

B. Leia Marcos 3:5. Por que Jesus ficou irado? (Os líderes religiosos se recusaram a olhar, mais profundamente, a razão para a lei.)

C. Considere a lei mosaica que estudamos nesta lição: circuncisão, impostos do templo e festivais. Qual é o fio comum de lógica, que conduz cada um deles, através do ensino da Bíblia? (Procure pela razão para a lei. Não ofenda os outros que buscam a Deus porque você esta fixado nos termos da lei e, não, na razão para a lei.)

D. Amigo, você vai se comprometer, hoje, a olhar mais profundamente, quando se tratar da lei de Deus?

V. Próxima semana: Cristo e a Tradição Religiosa.



Direito de Cópia de 2014, por Bruce N. Cameron, J.D. Todas as referências das Escrituras são da Bíblia de Estudo na Nova Versão Internacional (NVI), editada em 2003 pela Editora Vida – São Paulo, a menos que indicado de outra forma. As citações da NVI são usadas com permissão. As respostas sugestivas encontram-se entre parênteses. As frases entre chaves { } foram acrescentadas pelo tradutor e não constam no original. Ore pela direção do Espírito Santo enquanto estuda.


 

Estes comentários referem-se às Lições da Escola Sabatina, publicadas em Português pela Casa Publicadora Brasileira, cujo original pode ser encontrado semanalmente em "http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/les2014.html"

Tradução: Denise de Mesquita


 


sexta-feira, 28 de março de 2014

Lição 01 - Leis no Tempo de Cristo

(Romanos 2, 5 e 13; Tiago 2; Apocalipse 22)



Introdução: Durante décadas, meu irmão viveu no sul da Califórnia. Quando ele conversava comigo sobre determinada cidade, eu tinha uma idéia da direção e da distância para chegar a ela. Agora que ele mudou, quando menciona uma cidade, eu não tenho idéia sobre qualquer direção ou distância. Imagine você ter que viajar para uma cidade e não ter idéia sobre sua localização. Você precisa de um mapa. Iniciamos uma série de lições sobre a lei de Deus. Parece tão natural pensar na lei e na graça, como opostas uma da outra. Meu objetivo, nesta série, é ajudar-nos a pensar sobre a lei e a graça como dons. Como um mapa, a lei é um dom maravilhoso de Deus, para nos ajudar a entender como chegar em segurança ao nosso destino. Vamos mergulhar em nosso estudo da Bíblia e ver o que podemos aprender!




I. Lei Natural
A. Leia Romanos 5:12-13. Este texto nos diz que o pecado não é levado em conta, quando não há lei. O que você acha que isso significa? Na ausência da lei, não existe pecado?

B. Leia Romanos 5:14. Acabamos de ler, em Romanos 5:12, que o pecado traz a morte. Como explicarmos que todos morrem, mesmo quando o pecado não foi levado em conta?

C. Leia Romanos 2:12. Isto nos diz que podemos pecar, mesmo quando não há lei. Como você conciliaria Romanos 5:13 (sem lei = nenhuma responsabilidade pelo pecado) e Romanos 2:12 (pecado à parte da lei = morte)? (O homem morreu por causa do pecado, mesmo quando Deus não os responsabilizou pelo pecado.)

1. Isso significa que o pecado tem seu próprio mecanismo para trazer a morte, à parte de Deus?

D. Leia Romanos 2:13-14. O que significa "praticam, naturalmente, o que ela ordena”? (Bem vindo ao conceito da lei natural! Querendo ou não, elas estão escritas abaixo: as leis naturais que controlam as coisas em nossa vida.)

1. Você pode pensar em algumas leis naturais? (Considere todas as leis físicas, como a gravidade e os movimentos previsíveis do sol e dos planetas. Que tal lesão e dor?)

E. Vamos voltar para a mudança do meu irmão. Digamos que eu queira visitá-lo. Quais leis naturais (da física) estão envolvidas? (Podemos agrupar as mais críticas e concluir que é necessário viajar na direção certa. A menor distância entre dois pontos é uma linha reta - uma lei natural. Eu poderia ir na direção errada, mas a viagem seria muito mais difícil.)

1. É culpa de Deus que seja necessário viajar na direção certa ou, no mínimo, é um problema?

2. Vamos olhar para a lei de Deus como um mapa. O mapa torna mais dificil a jornada? (Não! Ele é uma tremenda ajuda!)

a. Lembre que Romanos 5:13 diz que "antes da lei ser dada, o pecado já estava no mundo". Poder-se-ia dizer que eu estava violando a "regra" do mapa, antes que você me desse um mapa? (Não.)

b. Antes de ter um mapa, eu estaria menos perdido? (Não, eu estaria sujeito à lei natural, que eu necessitava, para viajar na direção certa.)

3. Isto esclarece os textos em Romanos? O homem não violava a lei dada por Deus (o mapa) quando eles não tinham a lei, mas o funcionamento das leis naturais não era suspenso.

F. Leia Gênesis 2:8-9, Gênesis 3:22, Gênesis 3:24 e Apocalipse 22:12-14. O que esses versículos sugerem sobre a morte? (É natural, para os seres humanos, morrer por causa da idade. É uma lei natural. Foi preciso a Árvore da Vida, para nos proteger desta lei natural.)

G. Leia Apocalipse 21:4. Deus mudou a lei natural da morte, na "nova ordem"? Ou, a morte é como uma doença curada pela Árvore da Vida?

H. Leia Apocalipse 22:1-2. Se a doença é uma coisa do passado, por que a Árvore da Vida “serve para a cura das nações”? (Estamos além de um assunto, facilmente compreendido pelo homem e, certamente, não tão facilmente compreendido por mim. Mas, parece que quando ressuscitarmos para um estado perfeito e vivermos na nova terra, ainda iremos necessitar da Árvore da Vida, para prevenir a doença e a morte.)

1. Por que Deus não, apenas, nos religa para vivermos eternamente? (Na minha compreensão humana muito limitada, isto me faz pensar que Deus vive com leis naturais. Ele não altera essa leis.)

II. Lei Moral
A. Leia Tiago 2:8-11. Que lei está sendo referida aqui? (Os dez Mandamentos. Que chamamos de "lei moral".)

B. Leia Tiago 2:12-13. Como Tiago chama isto como "lei da liberdade"?

1. Um mapa dá liberdade a você?

C. Considere isso. Se as leis naturais estão operando em nosso universo, e a lei moral de Deus nos dá um mapa, para evitar violar as leis naturais, com suas penalidades naturais, você chamaria a lei moral de algo que dá liberdade? (Sim!)

1. Seria justo dizer que a lei moral é como algo que opera assim como a Árvore da Vida?

D. Vamos ver se podemos tirar algumas conclusões sobre a lei natural e a lei moral. Por razões que estão além do meu entendimento, parece que Deus não tenta re-escrever as leis naturais. Ao invés de mudar a lei natural, que com o tempo traz fraqueza, pecado e morte, Ele nos dá a Árvore da Vida, na nova terra. Ao invés de mudar a lei natural, que opera na terra, Deus nos dá a lei moral, para nos ajudar a evitar o sofrimento das penalidades de violar a lei natural. Isto parece correto para você?

III. Lei Civil

A. Leia Romanos 13:1-3. Em que estão baseadas as leis civil, natural e moral? (Lembre que se presume que a lei moral de Deus nos ajuda a lidar com a lei natural. Assim, a autoridades civis, que vêm de Deus, deveriam basear-se nelas.)

B. Leia Romanos 13:4-5. Por que a consciência está envolvida na obediência às leis civis? (Isto mostra que, no mínimo, a lei moral de Deus está envolvida.)

C. Leia Romanos 13:8-10. Como isso ajuda a resolver a questão de que a autoridade civil esteja baseada na lei moral? (Paulo está, claramente, referindo-se aos Dez Mandamentos - lei moral. Ele nos diz que a autoridade humana é estabelecida por Deus, para fazer cumprir a lei do amor.)

1. Que exemplo você pode dar de como as leis civis fazem cumprir a lei do amor? (Tome, por exemplo, a propriedade privada e o sistema judicial. Os exemplos, em Romanos 13:9, envolvem tirar algo de alguém. Se amamos nosso semelhante como a nós mesmos, então não devemos nos apoderar de nada que lhe pertença. Uma vez que nem todos estão em sintonia com a lei moral, as autoridades civis (a polícia e a justiça) fazem cumprir as leis contra o roubo.)

D. Você pode começar a ver uma imagem aqui? As leis naturais existem e parece que Deus não as alterou. Deus nos dá Sua lei moral para nos ajudar a evitar a violação das leis naturais. Nem todos estão em sintonia com as leis morais, portanto, Deus estabelece a autoridade civil para fazer cumprir Suas leis morais. Todos estes três níveis de lei estão relacionados!

1. O que isso diz sobre a relação igreja-estado?

IV. Lei Cerimonial

A. Leia Levítico 1:1-4. Que lei é essa? (Essa é parte da "lei cerimonial" dada por meio de Moisés.)

1. Sobre qual cerimônia estamos falando? (Era um procedimento para obter a remoção do pecado, da pessoa que fazia a oferta.)

B. As leis cerimoniais, também, eram um mapa? (Sim. Elas ilustravam o plano de salvação. Elas apontavam para a vinda de Jesus e Seu sacrifício.)

C. As leis cerimoniais, ainda, são válidas? (Não. Elas foram cumpridas. Entretanto, não deveríamos esquecê-las, porque elas reforçam nossa crença em Jesus.)

D. Leia Romanos 8:1-4. Qual lei está referida aqui? (No mínimo, a lei moral, porque se refere ao pecado.)

E. Jesus cumpriu a lei moral,da mesma forma que Ele cumpriu a lei cerimonial? (Acho que a resposta é "sim".)

1. Devemos esquecer a lei moral? (Não! Lembre o mapa. Se você quer evitar enfrentar problemas com as leis naturais, preste muita atenção à lei moral.)

F. Amigo, se você sente que esta discussão é apenas um começo, você está certo! Vamos pedir que o Espírito Santo nos guie em toda a verdade, quando se trata das diferentes leis com as quais vivemos.

V. Próxima semana: Cristo e a Lei de Moisés.

Direito de Cópia de 2014, por Bruce N. Cameron, J.D. Todas as referências das Escrituras são da Bíblia de Estudo na Nova Versão Internacional (NVI), editada em 2003 pela Editora Vida – São Paulo, a menos que indicado de outra forma. As citações da NVI são usadas com permissão. As respostas sugestivas encontram-se entre parênteses. As frases entre chaves { } foram acrescentadas pelo tradutor e não constam no original. Ore pela direção do Espírito Santo enquanto estuda.


Estes comentários referem-se às Lições da Escola Sabatina, publicadas em Português pela Casa Publicadora Brasileira, cujo original pode ser encontrado semanalmente em "http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/les2014.html"

 
Tradução: Denise de Mesquita

sábado, 22 de março de 2014

Lição 13 - O Custo do Discipulado


(Lucas 12)
 
 

Introdução: Em Lucas 14:28, Jesus contou a história de um homem, considerando se ele construiria uma torre. Uma coisa prudente, de acordo com Jesus, é calcular se você tem dinheiro suficiente para terminar a torre, antes de começar a derramar concreto na fundação. Jesus contou essa história para ilustrar a decisão que nós temos que fazer, quando nos tornamos discípulos. Temos contado os custos? Vamos mergulhar em nosso estudo da Bíblia e ver que tipo de contabilidade precisamos fazer, quando decidimos seguir Jesus!

 
 
I. O Chamado

A.  Leia Lucas 12:4-5. Quem pode matar apenas o corpo? (O homem.)

1.  Quem pode lançar-nos no inferno? (Deus.)

B. Leia João 3:16. Deus nos ama tanto que nos deu Seu Filho, para que possamos viver. Como você explica Lucas 12:5, que nos diz para temer a Deus porque Ele pode lançar-nos no inferno? (Jesus está falando sobre a autoridade de nossa vida. Logicamente, se olharmos para a vida, deveríamos respeitar a autoridade que tem poder maior. Deus tem poder, não somente sobre a vida aqui, mas sobre a vida eterna.)

C. Leia Lucas 12:6-7. Logo depois de dizer-nos para temer a Deus, Jesus nos diz "não temas." O que está acontecendo? (Jesus nos diz para olhar, primeiro, o lado prático das coisas – Deus é o Único com todas as armas. Em seguida, Jesus nos diz que Deus é o Único que nos ama, intensamente. Ele tem todas as armas e todo o amor.)

D. Leia Lucas 12:8-9. Qual é a mensagem de Jesus para nós aqui? (Temos uma escolha a fazer. Escolheremos o poder supremo e derradeiro amor?)

1.  Este é um dos "custos" que temos que considerar quando fazemos a escolha do discipulado? (Não é um "custo" verdadeiro, pois isto nos diz que se reconhecemos Deus, Ele nos reconhecerá nos lugares altos.)

E. Como esta escolha é feita? É apenas um assunto verbal? Voltemo-nos para esta questão prática, em seguida.

II. A Escolha

A.  Leia Lucas 12:10. Se você acredita na Trindade, assim como eu, como isso faz algum sentido? Como insultar uma parte da divindade é pior do que insultar a outra? ( De acordo com João 16:13, o Espírito Santo nos guia em toda a verdade. Se perdermos nosso Guia, estaremos perdidos para sempre. Jesus está nos ensinando uma verdade prática. Ao rejeitarmos o Espírito Santo, rejeitamos a fonte da verdade. Você está rejeitando Aquele que o atrai para Deus.)

1.  Leia Lucas 12:11-12. O que mais o Espírito Santo faz por nós? (Nos ajuda, nos momentos difíceis, quando estamos sobre extrema pressão, a ter a tranquilidade de que Ele guiará nossas palavras.)

2. Qual é um outro aspecto prático de fazer a escolha por Deus e não pelo mundo? (Devemos escolher quem será nosso guia. Este guia deve ser o Espírito Santo. Isto não é um custo.)

B. Leia Lucas 12:13-15. Essa é uma pergunta estranha que, como um video caseiro, fica gravado com todo o resto? (Não. Jesus está nos ensinando que escolher seguí-Lo, não tem nada a ver com dinheiro. Em Deuteronômio 28, Deus nos diz que escolhê-Lo, traz prosperidade. Mas, Jesus nos diz que estamos entrando em um novo e mais maduro relacionamento com Deus.)

C. Leia Lucas 12:16-20. Qual é o ponto da parábola de Jesus? Ele está nos dizendo para não nos aposentarmos? Ele está nos ensinando a não pouparmos para a aposentadoria?

1.  Por que a essa parábola segue a questão sobre ajudar a dividir uma herança? (Jesus ressaltou o que é importante. Esse não é um conselho sobre poupança ou aposentadoria. Jesus disse que se focarmos em nosso próprio prazer, podemos morrer inexperadamente – e, então, como esse foco nos beneficiaria?)

D. Leia Lucas 12:21. O que isso diz sobre nossa escolha em sermos discípulos? O que isso diz, quanto ao custo de nos tornarmos discípulos? (Se você se concentrar em ser rico, em oposição a fazer avançar o Reino de Deus, você pode morrer, prematuramente. O ponto, para Jesus é que o avanço do Reino de Deus não é, necessariamente, um custo.)

III. Vivendo a Escolha

A.  Leia Lucas 12:22-26. Minha filha me falou sobre "calorias negativas." Significa que alguns alimentos contém menos calorias do que as que o corpo gasta ao digerí-los. Jesus falava de "calorias negativas" quando se tratava de contar o custo do discipulado? (Sim. Nós vimos esse tema, antes. Jesus diz que podemos deixar a preocupação para trás. Deus será a certeza de que nossas necessidades serão atendidas. O "custo" não é, realmente, um custo.)

B. Leia Lucas 12:27-28. O que, especificamente, Deus promete? (Ele nos promote roupas maravilhosas.)

C. Leia Lucas 12:29-31. Quando você considera o que temos lido, até agora, neste capítulo, você acha que Jesus estava falando sobre comida e roupas? (Esse foi o problema enfrentado pelo fazendeiro que se aposentou e morreu. Deus diz que Seus seguidores não estão concentrados em coisas. Eles estão concentrados no avanço do Reino do Céu. A história do fazendeiro aposentado conclui que concentrar-se em dinheiro e em si próprio não é garantia de dinheiro. O ponto, aqui, é que concentrar-se no Reino, não vai privar você de comida e roupas.)

D. Leia Lucas 12:32. Medo do quê? (Dado o contexto, a resposta deve ser pobreza.)

E. Leia Lucas 12:33-34. Lembra-se do jovem rico (Mateus 19:20-21) que foi orientado a vender a vender seus bens e dá-los aos pobres. Ao longo desta história, sugeri que Jesus estava ensinando a este jovem que ele não poderia ganhar seu caminho para o céu. Vender tudo o que tinha era algo que ele não faria. Por causa do que Jesus falou para ele, nós fomos capazes de nos desviar da "bala", pensando que teríamos que vender tudo o que temos, certo?

1.  Podemos nos esquivar dessa nova "bala" – que estamos agora informados de que a venda de nossas coisas é o custo do discipulado? Este comando não é apenas para o novo rico. O que você diz?

F. Considere Lucas 12:32-34 no contexto. O que isso nos ensina? (Jesus, continuamente, nos diz que o "custo" do discipulado não é custo, de modo nenhum. Ele edificará nossa reputação, nos alimentará e nos dará ótimas roupas. Jesus nos diz para não ter medo de que a doação aos pobres nos causará pobreza. Exatamente o oposto! Jesus diz que Ele não só terá certeza de que estamos cuidando daqui, mas Ele estará nos dando "o Reino," um "tesouro no céu" que não poderá se acabar, nem ser roubado ou destruído.)

G. Deveríamos vender tudo? (Vou deixar que você responda para você mesmo, mas não acho que este seja o ponto para Jesus. O tema do capítulo, até este ponto, tem sido o de se concentrar em fazer avançar o Reino do Céu, e não, o de fazer avançar sua própria riqueza. Jesus disse que não podemos empobrecer a nós mesmos, se ajudarmos os pobres ("não tenha medo, pequeno rebanho") ou usarmos nossa riqueza para fazer avançar o Reino de Deus. Não podemos dar um fora em Deus. Podemos somente nos enriquecer com depósitos no Banco do Céu.)

H. Leia Lucas 12:35-36. Que outros custos estão sendo discutidos aqui? (O custo de estar alerta e pronto.)

1.  De tempos em tempos, topo com pastores cujos ensinamentos me dão indigestão. Um " pastor indisgestão" escreveu que ele havia gasto tempo suficiente promovendo o evangelho, ele estava ficando mais velho, e agora era hora de ele voltar-se para ganhar dinheiro para si mesmo. Como esse plano se encaixa com esses versículos? Como ele se encaixa com o que temos aprendido nesse capítulos, até agora? (Nosso foco deve estar, sempre, em fazer avançar o Reino de Deus. Este é um compromisso para toda a vida, e nós precisamos estar "na tarefa" o tempo todo.)

I. Leia Lucas 12:37. O que acontece com o servo diligente? Com aquele que está, constantemente,"na tarefa"? (Deus os serve! Este é um outro custo "sem calorias". Deus promete, constantemente, nesses versículos, dar para Seus servos o que dão a Ele.)

J. Leia Lucas 12:38-40. Aqueles de vocês que se aprofundaram em profecias: qual é a mensagem aqui? (Os seguidores diligentes de Deus ficarão surpresos no momento da Segunda Vinda de Jesus. É por isso que eles devem ter, sempre, seus olhos abertos. Eles devem estar, sempre, preparados. Se você acha que entende, perfeitamente, os passos da Segunda Vinda, cuidado!)

K. Leia Hebreus 11:39-40. Os versículos anteriores, em Hebreus 11, revelam que o custo do discipulado varia entre os discípulos. Para alguns é extremo e, para outros, não parece tão extremo. Independente do custo em nossa vida, qual é a promessa universal de Deus? (Nós não receberemos tudo o que Deus promote para nós, aqui na terra. Mas Deus tem planejado algo muito melhor, para nós, no céu!)

L. Amigo, considerando o custo, você vai decidir, hoje, a seguir Jesus? A recompensa é muito maior que o custo, mas a extensão total da recompensa está na vida por vir!

IV. Próxima semana: Começaremos uma nova série sobre um dos meus temas favoritos: lex rex! Lex rex vem do latim e significa "a lei é rei." O papel da lei, nos salvos pela graça, é um estudo fascinante.{Lição do 2º trimestre: "Cristo e Sua lei"}

 
Direito de Cópia de 2014, por Bruce N. Cameron, J.D. Todas as referências das Escrituras são da Bíblia de Estudo na Nova Versão Internacional (NVI), editada em 2003 pela Editora Vida – São Paulo, a menos que indicado de outra forma. As citações da NVI são usadas com permissão. As respostas sugestivas encontram-se entre parênteses. As frases entre chaves { } foram acrescentadas pelo tradutor e não constam no original. Ore pela direção do Espírito Santo enquanto estuda.
 
Estes comentários referem-se às Lições da Escola Sabatina, publicadas em Português pela Casa Publicadora Brasileira, cujo original pode ser encontrado semanalmente em "http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/les2014.html"
 
Tradução: Denise de Mesquita
 
 
 

 

 

 
 

sábado, 15 de março de 2014

Lição 12 - A Ceifa e os Ceifeiros

(Marcos 6, Mateus 21, Lucas 5, Atos 16)

 

Introdução: Em Mateus 9:37, Jesus disse para Seus discípulos: A seara é grande, mas os trabalhadores são poucos. Uma vez que Jesus estava falando sobre colheita de almas para o Reino dos Céus, eu acrescentaria: e os trabalhadores qualificados estão em número ainda menor. Tenho o cabo de uma velha foice em minha garagem. Foices são ferramentas manuais para colher trigo. Elas têm um cabo longo e curvo e uma lâmina comprida e estreita, presa em ângulo reto, na extremidade do cabo. Tenho uma idéia de como ela funciona, mas seria necessário treinamento no local de trabalho, para eu usá-la, corretamente. E quanto a colheita de almas? Como nos tornarmos trabalhadores qualificados nessa tarefa tão exigente? Vamos mergulhar em nosso estudo da Bíblia e ver o que podemos aprender!




I. O Treinamento

A. Leia Marcos 6:7. Quantos de vocês prestaram serviço como estagiários, em seu atual emprego? É isto o que estamos vendo aqui: treinamento no local de trabalho? (Sim. Jesus decidiu que, antes de voltar para o céu, Ele daria para os discípulos um treino ou estágio, para sua última missão de colheita.)

1. Considere as duas primeiras coisas que Jesus fez. Por que você acha que Jesus os enviou em pares?
 
2. Por que você acha que a segunda coisa que Ele fez foi dar-lhes autoridade sobre os maus espíritos?

3. Leia Efésios 6:12. Hoje, em nosso trabalho evangelístico, subestimamos a importância da batalha espiritual?

B. Leia Marcos 6:8-9. Quando nossos filhos eram pequenos, as viagens de férias eram feitas em nosso motor-home. Eu acreditava que deveria levar equipamentos e peças sobressalentes. Eu achava que isso era uma preparação prudente. Os discípulos estavam despreparados? Por que eles careciam até mesmo de elementos essenciais como comida e dinheiro?

1. A idéia era ensiná-los a verdadeira fé e dependência? (Leia Mateus 10:10. A versão de Mateus, para esse evento, dá os motivos de Jesus e Ele não menciona o aumento da fé. Ao invés disso, Jesus disse que, aqueles que se beneficiam do ministério, deveriam apoiá-lo.)

2. No passado, tive ministérios que me solicitavam contribuir para um fundo, de modo que pudesse prover dinheiro suficiente para lançar um missionário. Mais recentemente, um ministério pediu-me para contribuir para o trabalho de amigos íntimos. É falho esse enfoque? Aqueles que se beneficiam, diretamente, do trabalho missionário deveriam pagar por ele? (Leia 1 Coríntios 9:6, 12 e 15. O princípio é que, aqueles que se beneficiam deveriam pagar, mas não é uma questão moral fazê-los pagar.)

C. Leia Marcos 6:10. Por que não ficar atento para conseguir melhores acomodações? (Se você considerar todas as direções de Jesus, elas parecem apontar para um enfoque sem complicações - não estar sobrecarregado de material extra e não ficar pesquisando ao redor, por lugares diferentes para ficar. Focar, apenas, na missão de compartilhar o evangelho.)

D. Leia Marcos 6:11. Que lição devemos aprender aqui, que vai nos ajudar com nossos esforços evangelísticos atuais? (Devemos nos concentrar naqueles que querem ouvir o que temos a dizer.)

1. Aqueles de vocês que têm lido minhas lições, durante anos, devem lembrar a luta que tive com meus vizinhos idosos. Fiz todos os tipos de "trabalhos" para eles, mas eles não queriam discutir salvação comigo e, em certo ponto, sua esposa parecia hostil. Quando tinham problemas, eles me chamavam para orar, mas nunca converti nenhum deles. Eu achava que era minha falha. O que este texto sugere? (Se alguém resistir ao evangelho, passe para a próxima pessoa.)

II. A Mensagem

A. Leia Marcos 6:12. Considere a mensagem dos discípulos. Esta deveria ser nossa mensagem, hoje?

1. Leia Mateus 3:1-2. João pregava arrependimento, por que Jesus estava voltando. Quando Jesus veio, Ele enviou Seus discípulos e eles pregaram arrependimento. Como combinar a mensagem de arrependimento, com uma postura acolhedora com os pecadores?

B. Leia Lucas 5:29-30. Os fariseus queriam que os pecadores mudassem, antes de comerem com eles, mas Jesus estava comendo com pecadores.Qual, você supõe, foi a primeira coisa que Jesus disse para os pecadores? (Eu duvido que eles estivessem "arrependidos". Mais, provavelmente: "por que não vamos comer?")

C. Leia Lucas 5:31-32. Qual era a mensagem de Jesus? (Arrependimento!)

1. Como uma questão prática, o que você acha que isso significa? Exatamente, o que devemos dizer para as pessoas que vêm, em nossa igreja, buscar a verdade?

a. Quando vemos algo que novas pessoas estão fazendo, vestindo ou comendo e que está inconsistente com nossa visão do que é certo, nós devemos chamá-las a arrepender-se das suas obras, suas roupas ou comida?

D. Leia Mateus 21:23 e Mateus 21:32. A quem Jesus estava se dirigindo? (Ao chefe dos líderes religiosos. Estas pessoas são aquelas que acreditam em Deus e parecem ter suas obras, roupas e comida como requisitos, exatamente, corretos.)

1. Neste contexto, o que Jesus estava lhes pedindo para fazer, em Mateus 21:32? (Que se arrependessem de sua incapacidade de crer em Jesus. João também estava pregando fé em Jesus.)

2. Quando eles se recusaram a arrepender-se e a aceitar o caminho da justiça, o que eles recusaram? (A graça! A justiça através da fé em Jesus.)

3. Agora, deixe-me perguntar a você, novamente, o que devemos dizer aos nossos visitantes, acerca do arrependimento? (Que eles devem se arrepender do pecado. Que eles devem se arrepender de acreditar na justiça, através de suas próprias obras. Que eles devem aceitar a justiça mediante a fé em Jesus!)

4. Se dissermos para os visitantes procurarem a verdade, deixando seu trabalho, suas roupas e comida, para serem salvos, quem precisa de arrependimento? (A pessoa que sugere que a salvação vem através das obras, das roupas e da comida!)

E. Leia Mateus 21:28-30. Essa é a história que nos leva para os versículos que acabamos de discutir. Qual filho fez a vontade do pai? (Leia Mateus 21:31. Não o filho que se limitou a dizer as palavras certas, mas o filho que fez a coisa certa.)

1. Vamos discutir isto. Com base nos versículos ligados a essa história, sugeri que as pessoas da igreja, que dizem para os visitantes que eles devem parar de fazer, vestir e comer alguma coisa, precisam se arrepender. Essa história diz que o filho que faz a coisa certa é aquele que agrada o pai. Minha sugestão estava errada? (Creio que não. Ao invés disso, acho que isto nos mostra os dois lados do erro. Um dos lados cai no buraco das obras - que você deve ou não fazer alguma coisa para ter direito à salvação. O outro lado do erro cai no buraco ao dizer que o pecado é bom. Você não precisa mudar nada. O caminho da verdade é que você concorda em aceitar Jesus, como sua única fonte de salvação e muda o curso de sua vida e de sua vontade, para Ele.)

F. Leia Lucas 24:46-49. O que isso nos diz é nossa mensagem para o mundo? (Arrepender-se e buscar o perdão dos pecados, e você será justificado através da vida, morte e ressurreição de Jesus.)

1. Eles têm a mensagem. Por que esperar? ( O poder e a habilidade estão prometidos. Voltemos para o próximo texto.)

III. O Poder

A. Leia Atos 16:6. Se nosso objetivo é compartilhar as boas novas sobre Jesus, por que o Espírito Santo nos impede de fazer um bom trabalho? (O Espírito Santo não os impediu de pregar mas estava, simplesmente, orientando-os para onde não deveriam ir.)

B. Leia Atos 16:7-10. Alguma vez você se perguntou se deveria compartilhar o evangelho com determinada pessoa? Que tipo de ajuda podemos esperar do Espírito Santo? (Essa história nos ensina que o Espírito Santo nos conduzirá até as pessoas que querem ouvir o evangelho.)

C. Leia Atos 2:1-3. Por que vento, ruído e fogo? (Leia Atos 2:4-6. Isso atraiu a multidão. Considere como sua igreja tenta trazer candidatos para a igreja.)

 D. Leia Atos 2:7-12. Se você estivesse em uma reunião na sua igreja e quisesse compartilhar o evangelho com pessoas que falam em 15 idiomas diferentes, como você faria? (Lembram-se que eu estava me culpando por não ter "determinado um tom" melhor, para levar o evangelho, para meus vizinhos idosos? A tarefa enfrentada pelos discípulos era impossível - 15 (conte-os) diferentes idiomas. Mas o Espírito Santo resolveu tudo.)

1. O que isto nos ensina sobre a maneira como devemos apresentar a mensagem do evangelho? ( Para mim diz que, obter o direito de ser "auxiliado" é a coisa mais importante.)

 E. Amigo, se você não está compartilhando a mensagem do evangelho, você vai começar hoje? Você vai compartilhar com aqueles que querem ouvir a mensagem? Você vai compartilhar o arrependimento e salvação pela graça somente? Você vai orar para que o Espírito Santo o capacite com as oportunidades, palavras e ações certas?

IV. Próxima semana: O Custo do Discipulado.

Direito de Cópia de 2014, por Bruce N. Cameron, J.D. Todas as referências das Escrituras são da Bíblia de Estudo na Nova Versão Internacional (NVI), editada em 2003 pela Editora Vida São Paulo, a menos que indicado de outra forma. As citações da NVI são usadas com permissão. As respostas sugestivas encontram-se entre parênteses. As frases entre chaves { } foram acrescentadas pelo tradutor e não constam no original. Ore pela direção do Espírito Santo enquanto estuda.

Estes comentários referem-se às Lições da Escola Sabatina, publicadas em Português pela Casa Publicadora Brasileira, cujo original pode ser encontrado semanalmente em "http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/les2014.html"

  Tradução: Denise de Mesquita