sexta-feira, 22 de julho de 2016

Lição 05 - Como o Evangelho Transforma a Comunidade

(Lucas 4, Mateus 10 e 13) 
Introdução: Li, recentemente, um artigo sugerindo que as igrejas locais devem descobrir as necessidades da comunidade (nesse caso, um problema referente ao abuso de drogas), para depois se concentrarem na ajuda à comunidade e seus problemas, ao invés de ficarem focadas no culto semanal. De vez em quando, escuto algumas opiniões de que uma igreja local deveria fazer a diferença na comunidade, de maneira prática. No entanto, aquele artigo foi além e pareceu sugerir que a luta contra o abuso das drogas na comunidade é mais importante do que o culto semanal. Como sempre, precisamos ver o que a Bíblia diz sobre a melhor maneira alcançar a comunidade. Vamos mergulhar em nosso estudo bíblico e aprender mais!

I. Dinâmica na Igreja

A. Leia Lucas 4:14-15. Quem estava conduzindo Jesus? (O texto diz, especificamente, que o Espírito Santo estava trabalhando em Jesus com poder.)

1. Jesus estava na comunidade fazendo serviço comunitário? (Aqui diz que Jesus estava ensinando nas sinagogas. Ele ia para o lugar de adoração.)

B. Leia Lucas 4:16. Qual era o costume de Jesus, com respeito ao culto semanal? (Ele comparecia no culto semanal, toda a semana. A idéia de que o culto semanal não tem importância é incoerente com a prática de Jesus.)

C. Leia Atos 14:1. Qual era a prática de Paulo e de Barnabé, nas suas atividades missionárias? (Falar, a cada semana, para aqueles que se reuniam para adorar.) 

D. Leia Lucas 4:17-19. O que Isaías profetizou sobre a obra de Jesus? (Que Ele iria evangelizar os pobres, pregar liberdade aos cativos, restaurar a vista aos cegos, por em liberdade os oprimidos e anunciar o ano aceitável do Senhor.)

1. Você acha que Isaías se referiu às pessoas pobres financeiramente, aos detentos e aos cegos de verdade? (Não. As boas novas se referem ao evangelho. Quer dizer, ir às pessoas pobres por não conhecerem o evangelho, acorrentadas ao pecado e cegas pelas coisas do mundo.)

2. Como a descrição sobre as tarefas de Jesus se aplica à idéia de que devemos abandonar o serviço da igreja, para ajudar a resolver o problema do abuso de drogas na comunidade? O artigo que mencionei na introdução pareceu argumentar que, lutar contra o abuso das drogas, chamaria a atenção para o evangelho. Isso seria um retrocesso. É o evangelho que liberta as pessoas de seus vícios. Além disso, o que os membros da igreja sabem sobre tratamento da dependência de drogas? Felizmente, os membros da igreja conhecem o evangelho!)

E. Leia Lucas 4:20-21. O que Jesus estava dizendo para aqueles que apareceram no culto? (Que Ele era o Messias!)

1. Essa é, ainda, a nossa mensagem básica sobre o evangelho?

II. Dinâmica Fora da igreja

A. Leia Mateus 10:5-11. Aqui, temos uma ilustração de como ir à comunidade, para compartilhar o evangelho. Observe um par de coisas estranhas. Primeiro, Jesus não deu nenhum dinheiro ou qualquer outro recurso físico para Seus discípulos. Segundo, Ele lhes disse para ficar na casa de “alguém digno de recebê-los”. Que lição Jesus estava ensinando para eles (e para nós)? (Aqueles que ouvem o evangelho devem pagar para isso. Os discípulos deveriam ficar na casa de uma pessoa que os quisesse lá.)

1. Como comparar isso com a iniciativa de sua igreja para alcançar a comunidade?

2. Em muitos dos programas evangelísticos que tenho auxiliado, não colhemos ofertas dos visitantes. Ao invés disso, damos Bíblias e outros presentes. É assim que devemos fazer as coisas?

B. Leia Mateus 10:12-15. Quando você tem uma dinâmica evangelística para a comunidade, você importuna as pessoas para irem às reuniões e, quando elas chegam, você continua o apelo para elas irem à igreja? Isso está coerente com o que Jesus descreveu?

C. Depois das ler as instruções de Jesus, se você fosse fazer um modelo de programa evangelístico, como você o prepararia? (Você procuraria apenas aqueles que estivessem dispostos a ouvir e iria fazê-los pagar pelo programa. A igreja não aplicaria nenhum recurso financeiro no esforço e ninguém iria perseguir ouvintes que não estivessem dispostos.)

1. Como você acha que isso iria funcionar? (Provavelmente, você iria dizer: “Isso não vai funcionar! Ninguém vai vir.”)

2. Vamos ler Mateus 10:16. Jesus sugeriu que essa abordagem seria “prudente”! Como você pode dizer que ela não iria funcionar? 

D. Vamos voltar e ver se está faltando alguma coisa. Releia Mateus 10:8. O que essas atividades proporcionam? (O motivo para ir e ouvir! Ao colocar o  artigo que mencionei na introdução, eu quis destacar a idéia de que, perseguir os dependentes químicos e ajudá-los, seria dar a eles (e as outras pessoas) um motivo para ouvir o evangelho. Se alguém curasse doentes, ressuscitasse mortos, curasse doenças terríveis e expulsasse demônios, você iria querer saber mais, certo?)

1. Como podemos fazer com que nossas reuniões evangelísticas se tornem atraentes? Iremos nos ater à idéia de subornar pessoas, para levá-las às reuniões e depois persegui-las, já que não estaremos curando os enfermos ou ressuscitando os mortos? 

E. Releia Mateus 10:7. Qual foi a mensagem específica, dada por Jesus, para que fosse divulgada? (Que “o Reino dos céus está próximo”.)

1. Nos dias de hoje, esta seria a mesma mensagem? Ou seria melhor pregar que Jesus está voltando?

F. Leia Lucas 10:27. Qual foi a razão pela qual Jesus disse para que Seus discípulos curassem os doentes, ressuscitassem os mortos, curassem doenças e expulsassem demônios? (Amor.)

1. Releia Mateus 10:14-15. Perseguimos ou corremos atrás de alguém,  por amor? Por que Jesus disse: “dêem-lhes uma chance e, então, sigam em frente”? (Não tenho nenhuma dúvida de que ajudar as pessoas na comunidade e ir atrás delas com o evangelho reflete o amor. Mas, sabemos que as boas intenções podem não dar bons resultados. Sugiro que o evangelho seja uma notícia grande e valiosa. Perseguir e incomodar as pessoas com ele, degrada as boas novas. Faz parecer que é algo com pouco valor. Então, precisamos importunar e subornar, para tentar levá-las a aceitar essa informação. Isto não seria astuto.)

G. Espero que essas questões estejam fazendo você refletir com mais clareza, sobre a dinâmica na comunidade. Se você considerar as instruções de Jesus como um padrão para divulgação nos dias atuais, e você não ressuscitar mortos ou curar doentes, como seria possível seguir esse padrão? (Devemos dar às pessoas uma razão para que elas queiram vir. Pagá-las ou persegui-las não é a resposta certa. Por que não orar para que Deus lhe envie Seu Espírito para, de modo idêntico, realizar milagres em sua congregação ou mostrar para você o que irá atrair sua comunidade (tanto pagã, quanto cristã).

III. Procedimentos para o Evangelho

A. Leia Mateus 13:1-9. O que você acha que significa isto?

B. Leia Mateus 13:18-23. O que Jesus quis dizer?

1. Veja, novamente, Mateus 13:19. O que foi semeado? (“A Palavra do Reino!” Essa foi uma parábola sobre evangelismo. Uma parábola sobre como alcançar a comunidade.)

2. Estude a interpretação de Jesus e me diga aonde você gostaria de concentrar sua mensagem evangelística? (Queremos nos concentrar em compartilhar o evangelho com aqueles que “ouvem e compreendem a palavra”).

3. Se você olhar para as categorias dos ouvintes da comunidade, verá que apenas um não entendeu a palavra. O restante ouviu e entendeu mas faltou-lhes “raiz”, ou enfrentaram dificuldades e preocupações, ou foram enganados por sua riqueza. Que parte você, o agricultor do evangelho, pode controlar? (Apenas tornar compreensível o evangelho. Para tal, dar (ou vender?), para seus ouvintes, uma Bíblia mais fácil de entender!)

4. Se nós, como agricultores do evangelho, podemos apenas controlar se tornamos mais fácil a compreensão de nossa mensagem, o que isso nos diz sobre a estratégia que devemos usar, ao compartilharmos o evangelho com as pessoas que não têm “raízes”, ou que têm outros problemas para as distraírem? (Precisamos fazer a mesma coisa que faz o agricultor e compartilhar nossa mensagem com todos, porque o único fator que podemos controlar é se o tornamos fácil de compreender.)

C. Amigo, qual a sua dinâmica na comunidade? De que modo sua igreja está fazendo evangelismo? Você vai re-examinar o que está fazendo e pedir que o Espírito Santo o oriente, para que você siga a abordagem bíblica de compartilhar as boas novas do evangelho?

IV. Na próxima semana: “Jesus Se Misturava Com as Pessoas”

Tradução: Denise de Mesquita

**********************************

Direito de Cópia de 2016, por Bruce N. Cameron, J.D. Todas as referências das Escrituras são da Bíblia de Estudo na Nova Versão Internacional (NVI), editada em 2003 pela Editora Vida – São Paulo, a menos que indicado de outra forma. As citações da NVI são usadas com permissão. As respostas sugeridas encontram-se entre parênteses. As frases entre chaves { } foram acrescentadas pelo tradutor e não constam no original. Ore pela direção do Espírito Santo enquanto estuda.

Se você costuma receber esses comentários por e-mail mas, em alguma semana, houve  falha ou extravio do recebimento, você poderá encontrá-los clicando neste link: 

Estes comentários referem-se às Lições da Escola Sabatina, publicadas em Português pela Casa Publicadora Brasileira, cujo original pode ser encontrado semanalmente em "http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/les2016.html


**********************************

sexta-feira, 15 de julho de 2016

Lição 04 - Justiça e Misericórdia no Antigo Testamento: Parte 02

(Ezequiel 37 e 47, Isaías 61, Lucas 10 e 15) 

Introdução: Ao pensar sobre a obra do Espírito Santo, na Bíblia, você se concentra, principalmente, no Novo Testamento? Você pode refinar ainda mais, dizendo que a ênfase no Espírito Santo começa com o livro de Atos? Nesta semana, descobrimos um destaque na obra do Espírito Santo, no Velho Testamento! Imagine! Vamos mergulhar numa análise no Antigo Testamento e ver o que o Espírito Santo tem a ver com justiça e misericórdia em nossas vidas!

I. Ossos

A. Leia Ezequiel 37:1. Vamos imaginar essa cena em nossas mentes. Deus levou Ezequiel numa viagem virtual pelo ar e o fez pousar num vale cheio de ossos. O que você diria para Deus, se Ele fizesse isso com você? (Não poderíamos ter descido num outro lugar? Isso parece um matadouro.)

B. Leia Ezequiel 37:2-3. O que você acha da resposta que Ezequiel deu para Deus? (Foi uma grande resposta!)

C. Leia Ezequiel 37:4-6. Isso foi uma pegadinha? Deus estava zombando de Ezequiel? (Não. Deus estava ensinando algo para Ezequiel.)

1. Vamos ver se podemos compreender a lição de Deus. Que ossos eram aqueles? (De pessoas que não estavam mais vivas.)

2. O que começou a revitalizar aqueles ossos? (Em primeiro lugar, Deus disse para Ezequiel profetizar. A isso, seguiu-se que a palavra de Deus foi ouvida pelos ossos.)

3. Na verdade, o que fez com que os ossos voltassem a viver, novamente? (Deus fez um espírito entrar neles.)

D. Leia Ezequiel 37:7-10. Todas as etapas foram necessárias mas, o que Deus realçou como sendo o passo mais importante? (O espírito de Deus entrou nos ossos.)

E. Hoje, como você aplicaria isso? Que lições você tem a aprender para os membros da igreja (talvez para igrejas inteiras) que são “ossos secos”? (Em primeiro lugar, para que eles possam ouvir, deve haver o esforço intencional (profetizar) de apresentar a palavra de Deus. Em segundo lugar, Deus coloca o espírito em nossos esforços para levar vida.)

1. O que você acha que era o “espírito de Deus”? (O Espírito Santo. Embora o Espírito Santo seja, frequentemente, representado como fogo, em Atos 2:2-3, Ele foi representado como fogo e vento. Isso fica coerente com a idéia do Espírito de Deus entrar naqueles ossos.)

2. Hoje, se quisermos fazer um paralelo exato, o que é mais importante para trazer à vida os membros ressecados da igreja e as igrejas ressecadas? (O Espírito Santo!)

F. Leia Ezequiel 37:11-14. Qual foi a lição para o povo do tempo de Ezequiel? (Que Deus reavivaria Seu povo. Isso diz, especificamente: “Porei o meu Espírito em vocês, e vocês viverão”. Note que algo tangível foi, então, realizado - o povo se estabeleceu em sua própria terra.)

G. Como está sua vida? Como está a vida de sua igreja? Você tem se sentido como “osso seco”? Ou você sente o Espírito Santo em sua vida e na de sua igreja?

1. O que qualquer uma dessas coisas tem a ver com justiça e misericórdia? (Os ossos, da visão de Ezequiel, voltaram a viver e se estabeleceram em sua terra; isso quer dizer que eles fizeram algo. Quando o Espírito Santo nos completa, nós, também, podemos fazer as coisas que Deus tem para nós.)

II. Água Salgada

A. Leia Ezequiel 47:1-6. Qual é a diferença entre essa imagem e a imagem dos ossos? (Isso era um problema de umidade e água e, não, secura.)

1. De onde toda aquela água se originou? (Do templo de Deus.)

B. Leia Ezequiel 47:7-9 e Ezequiel 47:12. O que aquela água trouxe? (Vida. A água salgada mata algumas coisas e a água fresca traz vida.)

C. Considere a visão dos ossos secos e a visão da água. Deus estava dizendo para Seu povo a mesma coisa, de duas maneiras diferentes? Ou você vê uma diferença prática nas duas visões? (O objetivo do Espírito Santo foi “encharcar de água” os ossos secos. O que vimos no final da visão dos ossos foi um “grande exército”. Isso faz parecer que a “água” vinda do templo é o povo de Deus, que é como a água fresca, a qual saneia a água salgada que mata plantas e animais. A ”água” parece com o Espírito -  inspirando a ação da igreja.)

1. Por que você acha que a água, da visão de Ezequiel, começou como uma pequena quantidade derramada e terminou num vasto rio? (Deus quer que saibamos que Sua obra é progressiva. Podemos começar limitados mas, com o poder do Espírito Santo, o povo de Deus se tornará uma força poderosa.)

III. Ação Concreta do Espírito Santo

A. Leia Isaías 61:1. Contemplando o cenário dos ossos e da água, como você entende este texto? (O Espírito Santo nos dá poder para levar o evangelho para aqueles que não estão indo bem, por não conhecerem Deus. São eles os que estão com o “coração quebrantado”, “os cativos” e os “prisioneiros” das trevas de satanás. Nós, os “ossos secos”, tornamo-nos capacitados pelo Espírito, para “regar” a obra de compartilhar o evangelho e transformar a vida daquelas pessoas!)

B. Leia Isaías 61:2. Será que nossa mensagem é confusa? (Favor e vingança são opostos.)

1. Como favor e vingança consolam todos os que andam tristes? 

C. Vamos considerar isto por alguns momentos. Lembre-se que aqueles que estão com o coração quebrantado, os cativos e os prisioneiros estarão sendo ajudados. Originalmente, como eles foram feridos? (A conclusão é que quem lhes causou mal foi satanás e aqueles que o seguem.)

1. Como a vingança vai trazer conforto? (As boas novas de Deus é que Ele leva justiça para os transgressores e, liberdade e conforto para os injustiçados. Os injustiçados acreditam que a justiça será feita.)

D. Leia Isaías 61:5-6. Qual será o objetivo do povo de Deus? (Estrangeiros e peregrinos farão trabalho de classe baixa (pastoreio) e trabalho braçal (agricultura). Em contrapartida, o povo de Deus estará envolvido em liderança religiosa e a ficar rico, a partir do trabalho de outras nações.)

1. Uau! Você sabia que a Bíblia disse isso?   

E. Releia Isaías 61:1. Como isso faz sentido? Começamos com uma boa notícia para os “pobres” e que eles serão libertos, curados e estabelecidos, para que estrangeiros e peregrinos possam trabalhar para eles! Isto faz sentido? Lembre-se que discutimos como o Espírito Santo irá nos avivar e envolver-nos em atos de justiça e misericórdia.  

1. Não são uma exigência universal, atos de justiça e misericórdia para os pobres? 

2 Na semana passada, o que você aprendeu sobre a provisão de Deus para os pobres? (Em quase todos os casos, eles tiveram que trabalhar pela comida. Às viúvas da igreja, para receber ajuda regular, deveriam ter um histórico de boas obras. Você pode considerar que a linha de raciocínio lógico de tudo isso é que Deus não está buscando ajudar todos os pobres mas, sim, aqueles que são justos. Isso explicaria Isaías 61:1, que descreve a escolha das pessoas necessitadas certas para ajudar.)

F. Leia Lucas 10:27-29. Qual foi a pergunta que o perito na lei fez a Jesus? (A mesma pergunta que examinamos - quem é o meu semelhante necessitado que devo ajudar? Apenas as pessoas boas?)

G. Leia Lucas 10:30-37. Será que o samaritano testou o mérito ou a integridade do sujeito espancado? (Não.)

1. O conselho de Jesus para o perito na lei estava em desacordo com os conselhos do Velho Testamento, com relação a agir com misericórdia e justiça? (Não. Vejo uma diferença significante na história do bom samaritano. Aquela situação foi uma emergência. Devemos ajudar a todos, quando se trata de emergências e dificuldades temporárias. Mas, quando se tratar de situações de longo prazo, devemos direcionar o uso de nosso dinheiro e tempo para promover o Reino de Deus, na vida da pessoa que precisa de ajuda.)

H. Leia Lucas 15:17-20. Essa é a história do filho pródigo. Quando ele estava sofrendo, o que a falta de ajuda fez por aquele jovem? (Despertou-lhe o bom senso. Isso ilustra o tipo de julgamento que Deus quer que façamos. Devemos ajudar os pobres honestos. Com relação aos pobres iníquos, devemos contribuir para promover a dignidade e as bênçãos do trabalho. Precisamos considerar o melhor uso dos nossos recursos financeiros. Precisamos ajudar os iníquos a terem bom senso.)

I. Amigo, se você é um “osso seco”, quando se trata de justiça e misericórdia, você vai pedir que o Espírito Santo o reavive, para que você possa ajudar outras pessoas, de uma forma coerente com a sabedoria bíblica e não, apenas, praticar atos aleatórios de bondade?

I. Na próxima semana: “Como o Evangelho Transforma a Comunidade”

Tradução: Denise de Mesquita

**********************************

Direito de Cópia de 2016, por Bruce N. Cameron, J.D. Todas as referências das Escrituras são da Bíblia de Estudo na Nova Versão Internacional (NVI), editada em 2003 pela Editora Vida – São Paulo, a menos que indicado de outra forma. As citações da NVI são usadas com permissão. As respostas sugeridas encontram-se entre parênteses. As frases entre chaves { } foram acrescentadas pelo tradutor e não constam no original. Ore pela direção do Espírito Santo enquanto estuda.

Se você costuma receber esses comentários por e-mail mas, em alguma semana, houve  falha ou extravio do recebimento, você poderá encontrá-los clicando neste link: 

Estes comentários referem-se às Lições da Escola Sabatina, publicadas em Português pela Casa Publicadora Brasileira, cujo original pode ser encontrado semanalmente em "http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/les2016.html


**********************************

sábado, 9 de julho de 2016

Lição 03 - Justiça e Misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1

(Êxodo 23, Amós 8, Levítico 25) 

Introdução: Você já levou em consideração que o “estado de direito” pode ser um programa para beneficiar os pobres? Para refrescar a sua memória, o termo “estado de direito” significa que as pessoas vivem debaixo de leis estabelecidas e, não, debaixo de constantes mudanças de humor ou de ordens autoritárias de um governante. Recentemente, assisti um documentário em que foi explicado que a melhor maneira de ajudar pessoas pobres, nos países menos desenvolvidos, não é enviar-lhes ajuda constantemente, mas, ao invés disso, enviar-lhes ferramentas que as ajude a ganhar seu sustento. Essas ferramentas incluem viver sob o estado de direito, que trata com igualdade pobres e ricos. Vamos pular para nosso estudo e ver o que a Bíblia nos ensina sobre este assunto!

I. Justiça

A. Leia Êxodo 23:2. Por que a Bíblia adverte a respeito de grupos que se reúnem, de forma desordenada ou indisciplinada, ligando-se para distorcer a justiça? (Assisti um documentário nessa semana que mostrou que a fraude se intensifica muito mais quando se torna visível que outros já a praticavam.)

B. Leia Êxodo 23:3. Por que não? (Como mencionei no início, no documentário que assisti o argumento foi que grande parte da ajuda que os estrangeiros recebem não é dada inteligentemente, porque se supõe que as pessoas que recebem o auxílio são as menos favorecidas. Favorecer o homem pobre não é justiça, pois isso admite a idéia de que ele precisa que a balança fique pendendo ao seu favor, porque ele é inferior.)

1. Você já levou em consideração a idéia de que seja preconceito favorecer o pobre? Isto parece contraditório! 

2. Note o contexto: “num processo”. Isso faz diferença na proibição de favorecer o pobre? (Acho que sim. “Processo” trata de uma disputa formal, que precisa ser resolvida e, ser pobre ou não, é irrelevante para o mérito da questão.)

C. Leia Êxodo 23:4-5. Que outro motivo pode afetar, de modo errôneo, nosso julgamento? (Vingança. Não gostamos de alguém e assim não oferecemos  a ajuda, que numa situação diferente, poderíamos oferecer.)

D. Leia Êxodo 23:6. Agora nos foi dito para não negarmos justiça ao pobre! Por que faríamos isso? (Por que eles não podem nos ajudar. A abordagem, com referência ao pobre, deve ser justa e imparcial, tanto no tratamento quanto no julgamento. Não favorecê-los nem desfavorecê-los nas ações judiciais.)

E. Leia Êxodo 23:7. Quão grave é esse problema? (Deus disse que Ele não nos absolverá! Isso soa como se perdêssemos a vida eterna.)

F. Leia Êxodo 23:8. Se você me perguntar se uma pessoa justa nunca se corrompe, eu diria “não”. O que sugere o texto? (Que a corrupção afeta o julgamento de alguém.)

G. Leia Êxodo 23:9. O mundo ocidental está repleto de estrangeiros. Qual é dever dos cristãos para com eles? (Parece bastante limitado - não oprimi-los.)

1. Considere a referência histórica neste texto. Como os egípcios trataram o povo de Deus?  (Eles os escravizaram.)

II. O Sábado e a Justiça 

A. Leia Êxodo 23:10-11. Será que isso favorece o pobre? (Realmente, não. Deixar de cultivar a terra, a cada sete anos, permite que ela se recupere e produza melhores colheitas, nos anos seguintes. Este era o objetivo - tornar  a terra mais produtiva para os agricultores. Um subproduto auxiliava os pobres. Mesmo que um agricultor não fizesse qualquer trabalho na terra, algumas culturas cresciam, naturalmente.)

1. Isso era dado gratuitamente para os pobres? (Os pobres tinham que colher sua comida. Entretanto, eles se beneficiavam das terras dos agricultores.)

2. Você acha que os agricultores policiavam suas terras para terem certeza de que só os pobres colheriam comida? (Parece que as pessoas decidiam se elas cumpriam as condições necessárias para terem direito ao benefício.)

B. Leia Êxodo 23:12. De acordo com o texto, qual é o objetivo do sábado? (Que nossos animais e nossos ajudantes se tornem revigorados.)

1. Você vê o sábado como um dia para ficar revigorado?

C. Leia Amós 8:4-5. Supostamente, o que aquelas pessoas estavam fazendo certo? (Pelo menos superficialmente, elas estavam guardando o sábado. Mas, estavam esperando que ele terminasse logo, para que pudessem voltar a trabalhar.)

1. Aquelas pessoas estavam ganhando novas energias nos sábado?

2. O que aquelas pessoas estavam praticando, injustamente, com os pobres? (Elas estavam trapaceando. Estavam pagando para os pobres, menos do que eles tinham a receber.)

3. Por que encontramos juntas, referências ao sábado e às trapaças com os pobres? (Deus quer que vejamos nossa hipocrisia. Achamos que estamos guardando o sábado mas, na verdade, nossas vidas são corruptas.)

D. Leia Amós 8:6. De que outra maneira podemos tratar os pobres com injustiça? (Amós 8:5 faz referência a “aumentar o preço” e esse versículo parece indicar que os pobres recebiam muito pouco por seus serviços. Devemos pagar aos pobres um valor digno.)

E. Leia Isaías 1:13. Vemos, novamente, uma referência ao sábado e à adoração. Como Deus pode chamar as ofertas de “inúteis”? Como pode  nossa adoração ser “repugnante” para Deus? (Leia Isaías 1:16-17. Adoração a Deus não é substituto para tratar pobres e fracos com justiça. Isaías 1:13 afirma que as ofertas e os incensos eram “repugnantes”. Deus não quer que demos a Ele o que roubamos dos pobres.)

F. Ultimamente, tenho frequentado reuniões e lido artigos que tratam de assuntos de justiça para com os pobres, nos tribunais dos Estados Unidos. O problema principal é que o pobre não pode pagar um advogado e, frequentemente, ele está no tribunal, contra o rico, que pode pagar um advogado. O que a Bíblia sugere para corrigir este problema? (Os textos que lemos afirmam que o juiz deve tratar pobres e ricos da mesma forma. O pobre não deve ser nem favorecido, nem desfavorecido.)

1. E quanto a oferecer um advogado para o pobre?

a. Se você pagar por um advogado para os pobres mas, não, para os ricos, isso não seria favorecer os pobres? 

2. Se um juiz, supostamente, não favorecer o pobre, ao que se refere a expressão (Isaías 1:17) “lutem pelo direito dos órfãos, defendam a causa das viúvas”? (Isto impõe obrigação para advogados e para quem fornece recursos financeiros a eles.)

a. Discutimos sobre falsas suposições contra os pobres. A Bíblia sugere que as viúvas e os órfãos são desamparados? (Sim. Note que a sociedade envolvida era um enorme agente. As viúvas não possuíam direitos legais.)

G. Leia Levítico 25:8-12. Esse era um “Super Sábado!” A cada 49 anos seguia-se o 50º ano, do “Jubileu”. Todo mundo tinha que voltar para casa. Como todos eles iriam comer? (Leia Levítico 25:20-22. Eles não deviam se empenhar na semeadura formal e na colheita. Ao invés disso, Deus os abençoaria, no sexto ano, com uma colheita abundante.)

H. Leia Levítico 25:25-28. O que mais acontecia durante o ano do Jubileu? (Todo mundo comprava de volta a sua propriedade. Isto explica como eles conseguiam voltar para casa.)

1. Isso estava coerente com o estado de direito? (Sim, pois todos conheciam as regras.)

2. Leia Levítico 25:23-24. Qual era a base dessa regra? (Deus é Dono de tudo e, uma vez que somos meros inquilinos, nós seguimos Suas regras.)

3. Será que essa regra sobre a “devolução de propriedades” favorecia os pobres? (Não penso assim. Uma vez que as regras eram conhecidas, as pessoas iriam pagar o valor dos 49 anos de arrendamento, apenas, por um pedaço da propriedade.)

I. Leia Levítico 25:29-30. Por que essa regra era diferente? (O campo aberto seria cultivado e assim, a devolução, no Jubileu, permitiria que as pessoas continuassem a ter capacidade para trabalhar e alimentar-se. Casas em cidades muradas, logicamente, eram outras questões.)

J. Leia Levítico 25:39-43. O que mais acontecia no ano do jubileu? (O homem em débito era perdoado, e isso dava às pessoas uma segunda chance. )

K. Leia Levítico 25:35-37. Será que isso favorecia os pobres? (Sim, à medida em que eles fossem cobrados sem qualquer interesse e obtivessem o alimento, sem que fosse visado lucro.)

1. Releia Levítico 25:35. Qual era a condição para esse tipo de auxílio? (A pessoa não podia se sustentar. Aqueles que não podiam trabalhar seriam ajudados, mas isso não sugere esmola e, sim, ajuda.)

L. O que temos lido sobre o sábado é algo que podemos fazer agora, com facilidade. Mas, como podemos aplicar as regras do Jubileu? (Embora esse fosse um sistema de leis inteiramente diferente do que temos nos Estados Unidos, certamente temos alguns conceitos similares. Por exemplo, através da bancarrota {estado de ficar completamente sem condições de cumprir com os compromissos.} as pessoas ficam livres de dívida. No que tange às leis dadas ao povo de Deus, enquanto suas terras não fossem devolvidas, a lei da “herdade” {propriedade rural com uma considerável dimensão} protegia a agricultura  familiar por algum tempo.)

M. Considere, amigo, como aplicar em sua vida, os princípios de justiça do Antigo Testamento. O que você pode fazer para refletir o senso de justiça e misericórdia de Deus?

III. Na próxima semana: Justiça e Misericórdia no Antigo Testamento: Parte 02

Tradução: Denise de Mesquita

**********************************

Direito de Cópia de 2016, por Bruce N. Cameron, J.D. Todas as referências das Escrituras são da Bíblia de Estudo na Nova Versão Internacional (NVI), editada em 2003 pela Editora Vida – São Paulo, a menos que indicado de outra forma. As citações da NVI são usadas com permissão. As respostas sugeridas encontram-se entre parênteses. As frases entre chaves { } foram acrescentadas pelo tradutor e não constam no original. Ore pela direção do Espírito Santo enquanto estuda.

Se você costuma receber esses comentários por e-mail mas, em alguma semana, houve  falha ou extravio do recebimento, você poderá encontrá-los clicando neste link: 

Estes comentários referem-se às Lições da Escola Sabatina, publicadas em Português pela Casa Publicadora Brasileira, cujo original pode ser encontrado semanalmente em "http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/les2016.html


**********************************